Ecosan do Brasil será responsável pelo processo de tratamento, fornecimento de máguinas e equipamentos e integração dos sistemas


O novo terminal de passageiros do aeroporto internacional de Goiânia, que tem inauguração prevista para o primeiro semestre de 2016, sai na frente nas tendências do mercado e será o primeiro do Brasil a utilizar conceitos e parâmetros seguros no tratamento de reuso direto de águas, com um projeto inovador que possibilitará o reuso de águas cinzas oriundas das torres de resfriamento, pias, chuveiros, bebedouros e águas pluviais. 
 
Segundo André Ricardo Telles, diretor executivo da Ecosan do Brasil, empresa líder em equipamentos para tratamento primário e secundário de efluentes domésticos e industriais, contratada para o desenvolvimento e operação do sistema, a iniciativa representa um novo conceito em projetos. “Em linha com a escassez de recursos hídricos, o sistema reduzirá significativamente o custo e o consumo de água potável nas operações. A adoção destes processos representa a preocupação com os recursos hídricos e ambientais”, afirma Telles, ressaltando que o prazo para a implantação das máquinas e equipamentos no terminal foi extremamente rápido.
 
O sistema de tratamento de reuso de águas cinzas receberá também, diariamente, os descartes das torres de resfriamento, que serão continuamente tratadas quimicamente, para fins de ajuste e equilíbrio do pH, controle de corrosão e incrustação, além do controle do crescimento de algas. A Infraero terá como responsabilidade o monitoramento dos parâmetros, enquanto a Ecosan do Brasil se responsabilizará pelo processo de tratamento, fornecimento das máquinas e equipamentos, integração dos sistemas, treinamento e inicio das operações e atividade.
 
Segundo Telles, o sistema é baseado em quatro estágios. O primeiro estágio consiste na separação de água e óleo, através de blocos coalescentes. Já o segundo estágio leva em consideração um sistema completo de tratamento biológico de águas, que estão contaminadas com matéria orgânica e seguirão para processos de equalização, recalque, aeração, sedimentação e polimento. O terceiro estágio consiste no tratamento físico-químico e prevê a remoção de demais contaminantes e filtração mecânica. Finalizando a solução, um sistema de desinfecção por ultravioleta.  Neste contexto, segundo o diretor executivo da Ecosan, foram considerados aspectos importantes para segurança dos passageiros, já que todo o desenvolvimento do projeto elétrico e automação foi elaborado dentro de requisitos obrigatórios para uma área classificada (ambiente explosivo), com painéis, motores, acionamentos e equipamentos a prova de faísca e explosão.
 

SOBRE A ECOSAN

Atuando desde 1983, a ECOSAN é líder absoluta em equipamentos e sistemas para tratamento de efluentes domésticos, indústrias e reuso. Disponibiliza soluções específicas para a necessidade de cada cliente e com essa filosofia, a empresa possui mais de 60.000 unidades instaladas no Brasil, América Latina e África. Sempre preocupada com desenvolvimento de novos produtos e inovação tecnológica, a Ecosan foi a primeira empresa a produzir, na América Latina, equipamentos flutuantes para aeração por fluxodescenõdente e sistemas de gradeamento mecanizado autolimpante. A empresa disponibiliza o maior portfólio do mercado com equipamentos e soluções que agregam aos clientes qualidade, confiança e funcionalidade.


  • Dê sua nota:  1 2 3 4 5
  • 2 visualizações
  • |
  • 0 favoritos
  • |
  • 0 comentários